Estúdio Fotográfico Carlos Relvas | Photographic Studio Carlos Relvas

[Imóvel de Interesse Público, 1996] | [Listed Building, 1996]

FotoAbertura.jpg

Projecto | Project

Estúdio Fotográfico Carlos Relvas [Imóvel de Interesse Público, 1996] | Photographic Studio Carlos Relvas [Listed Building, 1996]

Tipo de intervenção | Intervention Type

a. Conservação, Restauro e Adaptação de Pavilhão a Recepção do Museu | Conservation, Restore and Adaptation of Pavilion to Museum’s Reception

b. Reparação e manutenção | Repair and maintenance

Localização | Location

39°24'08.0"N 8°29'19.2"W | Golegã, Portugal

Projecto - Inauguração | Project - Inauguration

a. 2000 | 2003

b. 2016 | 2018

Tipo de Projecto | Project Type

Cultural (Museu) | Cultural (Museum)

Estado | Status

Construído | Built

[Prémio | Award

Habitar Portugal 03-05, Ordem dos Arquitectos | Habitar Portugal 03-05, Architects Order

O Estúdio Fotográfico de Carlos Relvas localiza-se num ambiente de uma vila com forte ligação às actividades rurais. A sua presença insólita revelará igualmente o carácter do seu proprietário, uma figura invulgar na cultura novecentista portuguesa. O restauro do Estúdio implicou uma opção em termos de ética de intervenção. Em consequência, procedeu-se ao desmonte (para arquivo) de uma fase acumulativa e que, em nosso entender, era comprometedora do equilíbrio formal e funcional do edifício. Um meticuloso restauro em todas as partes construtivas do edifício devolveu-o ao seu esplendor original, constituindo hoje, pelo seu detalhe, silhueta e transparência, um objecto arquitectónico de invulgar expressão. Para assegurar um adequado funcionamento, em termos de visitas, construiu-se um novo núcleo de escadas associado ao Pavilhão do Jardim, que o liga subterraneamente ao Estúdio através de uma Galeria de Exposições Temporárias. Outro túnel técnico infra-estruturou minimamente o edifício existente. Ainda no Pavilhão, estão localizados os espaços onde se poderão efectuar actividades interactivas relacionadas com a História da Fotografia. Esta [não] intervenção procurou reforçar a identidade do Estúdio Fotográfico de Carlos Relvas, possibilitando o seu uso contemporâneo numa perspectiva contemplativa e museológica. Este monumento único do início da história da fotografia em Portugal reabriu ao público em 2007.

 

This building is in itself a paradigm of steel architecture in Portugal, mainly for its pioneer use of this material, but also due to its architectonic singularity. Carlos Relvas (1838-1894) was a man ahead of its time, untiring traveller, he was distinguished by some foreign countries from 1870 on, as a photographer, such as France, Austria, Spain, United States of America and the Netherlands. The Studio was erected between 1871 and 1875, and in 1887, so no more than 12 years after, the studio was partially transformed in its own house, having its elegant steel and glass structure been hidden. More than a century after this situation, we are confronted with the dichotomy of what to restore? Carlos Relvas' studio or his studio and house? Its historic time and aesthetics were virtually the same, so what was most representative and unique? According to the UNESCO's charters, where all the layers have importance to the objects significance, were we entitled to pose such question? In short, for its unique nature in the Portuguese context, and following an interpretation where the original typology of Photographic Studio was more relevant, allowing to understand the global matrix of such a building type in the early photography period in a European - not only regional – context, we chose the “cultural dismantle” of the house, favouring the Studio to prevail. As a remarkable side note, it should be said that this was the first Portuguese building to have been photographed during every phase of its construction until its conclusion by its owner. This unique monument of a heroic period in the history of photography was re-opened to the public in 2007, offering now a contemporary laboratory, a small cafeteria, a resource centre and an exhibition hall.

 

Área | Area

800,00 m2

Orçamento | Budget

a. € 1.750.000,00

b. €   500.000,00

Dono de Obra | Client

a. IPPAR - DRS: Instituto Português do Património Arquitectónico

b. Direcção Regional de Lisboa

Fiscalização de Obra | Site supervision

Sousa Medeiros: José de Sousa Medeiros, Humberto Landim, com IPPAR

Construtor | General Contractor

a. A. Ludgero de Castro

b. Empripar

Coordenação | Teams Coordination

A2P: João Appleton

Arquitectura | Architecture

Victor Mestre | Sofia Aleixo

Equipa  |  Team

Nuno Gaspar | Daniel Pires

Medições e Orçamento | Estimate of building costs

Coopas: Hugo Pombo

Maqueta | Model

Joana Botas

Fotografia | Photography

Fernando Guerra / Sérgio Guerra, arquivo vmsa

Consultores de fotografia | Photo Consultants

José Pessoa, Victória Mesquita

Mobiliário | Equipment

Victor Mestre | Sofia Aleixo, arquitectos

Sinalética Informativa | Signage

Victor Mestre | Sofia Aleixo, arquitectos

Conservação e Restauro | Conservation and Restore

António Vasques

Fundações e Estrutura | Foundations and Structures

A2P: João Appleton, Pedro Ribeiro, António Costa

Instalações de Águas e Esgotos | Water and Sewage Facilities

Termifrio: Serafin Graña

Instalações Eléctricas| Electrical Installations

Quanti: Fernando Gravito, Luís Alegra

Instalações de Climatização e Ventilação| Air Conditioning and Ventilation Facilities

Termifrio: Serafin Graña

Sinalética Informativa | Signage

Victor Mestre | Sofia Aleixo, arquitectos

 

 

Webgrafia | Webography

www.casarelvas.com/site/pt/

https://www.youtube.com/watch?v=4oWWijADLAU

Bibliografia | Bibliography

AAVV (2000) Património - Balanço e Perspectivas [2000-2006]. Lisboa: Ministério da Cultura - IPPAR, pp. 236-245.

AAVV (2003) Carlos Relvas e a Casa da Fotografia. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga.

Mestre, Victor; Aleixo, Sofia (2006) “Estúdio Fotográfico Carlos Relvas | Carlos Relvas Photography Studio”. In Habitar Portugal 2003/2005. Lisboa: Ordem dos Arquitectos, pp. 186-187.

O caso da Casa Relvas – Museu Nacional de Arte Antiga, 2003. Acedido em https://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2007/04/o_caso_da_casa_.html#more, a 23 de Abril de 2007.

Estúdio Relvas - a reinauguração, Abril de 2007. Acedido em https://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2007/04/estdio_relvas_2.html#more, a 23 de Abril de 2007.

Pessoa, José; Torrado, Sofia (2003) “Carlos Relvas e a Casa da Fotografia”. In Carlos Relvas e a Casa da Fotografia. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga/IPM, pp. 21-53.

"Um homem tem duas caras". Edição Sistema Solar, catálogo do CIAJG — Centro Internacional das Artes José de Guimarães, em Guimarães.